Sobre palhaços e outras coisas...

quinta-feira, 29 de outubro de 2009 às 04:27
Palhaços sempre me fascinaram. E eu nunca soube o porque disso, na verdade. Desde criança, quando meu pai me levava ao circo, depois do mágico - desculpem-me mas a aura de misticísmo ainda era mais empolgante- o palhaço era a atração que eu mais esperava.

Ah, como eu adorava ver as besteiras que eles fazia. Eu tenho ótimas recordações disso, chorava de dar risada.

E até hoje eu gosto de palhaços, apesar dos anos que não vou a um circo. Mas, mesmo assim, ainda os vejo. Ao menos uma vez por semana, quando vou para o trabalho, vejo num semáforo, um casal muito jovem. Ele deve ter uns 18 anos. Ela, 17. Os dois sempre vestidos de palhaço, fazendo malabarismos e pedindo dinheiro.

Apesar da situação difícil, eles sempre encarnam perfeitamente os seus papéis. Ele faz o palhaço sorridente, sempre andando de modo engraçado e sorrindo reverenciando as pessoas. Ela faz a palhaça melancólica, digna de piedade.

E é isso que eu amo nos palhaços: quando engraçado, conquista pela graça e diversão que transmite. Quando triste, desperta o meu lado mais humano, querendo ajudar sempre.

Palhaços tristes e alegres são contrastes... MEUS contrastes. Já quis ser um palhaço. Mas parando bem para pensar, quem não é, de tempos em tempos?

E por mais incrível que pareça, não levando em conta o ator por de trás de toda a maquiagem, mas sim o personagem. O palhaço, dentro de todas suas atitudes caricatas, é quem menos usa uma máscara hoje em dia.

1 Responses to Sobre palhaços e outras coisas...

  1. Acho interessante a capacidade dos palhaços em passar a alegria, a todo instante, não importa se na noite anterior ele pegou a mulher com outro na cama ou se sua filha caçula está com câncer, eles sempre estão alegres e contentes (pelo menos aparentemente.

    Admiro essa capacidade pois eu não sei esconder que estou sofrendo, não consigo disfarçar minhas angústias. Por isso quando estou assim triste procuro me isolar, me esconder, pois minha cara logo dedura como estou me sentindo.

    Eu bem que tento, mas não consigo SER um palhaço!