Um recomeço...

domingo, 20 de dezembro de 2009 às 08:09
Eu sei que não postei nos últimos tempos, mas estou oficialmente encerrando as atividades do blog por esse ano. Desculpem-me se alguém mais queria ler algum texto, mas tomei a liberdade de curtir um pouco a vida sem me preocupar com isso aqui.

Mas ano que vem eu volto com mais texto.

Então, desde já, desejo a todos que passarem por aqui (seja para ler de verdade ou se esbarraram com o blog por acaso) um Feliz Natal, com uma farta ceia e muitos presentes. Também desejo um Próspero Ano-Novo com muita alegria, saúde, dinheiro e tudo o que tiver direito.

Só lembrando, na virada, façam promessas possíveis de serem cumpridas. Nada absurdo. E sejam felizes. A vida é única e só vai pra frente. Então não deixem passar as oportunidades que lhes são dadas.

Mais uma vez obrigado a quem leu meus textos. Vocês não sabem como é gratificante saber que alguém se interessa pelo que escrevo. Ano que vem, divulguem, mostrem para amigos. Quem sabe isso tome proporções maiores.

Um obrigado especial a três pessoas, de circulos totalmente distintos da minha vida, mas que incentivaram sempre as minhas postagem. Obrigado, então, ao Laércio, ao Senna e a minha mãe.

Nos vemos em 2010.
Pedro Henrique.

Você

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009 às 05:07
Eu nunca quis um amor perfeito, naqueles de final feliz em filmes românticos. Aliás, acho aquilo tudo muito falso e sem graça. Prefiro um amor real, com seus problemas, nossas brigas e todos os defeitos possíveis a serem superados.

Nunca quis um namoro modelo, onde todos sentissem inveja de mim. Prefiro eu ter um relacionamento capenga, com problemas mas que, ao final de um dia, eu possa olhar para trás e dizer: Conseguimos mais uma vez!

Eu nunca desejei nada além de simplicidade e honestidade. Não quero um príncipe eu seu castelo encantado ou num grande cavalo branco, que venha me resgatar. Por favor, não sou nenhuma princesa em perigo, sendo aprisionada no topo de uma torre por um dragão.

Eu só quero poder acompanhar os dias passando e, depois de cada momento, poder pensar como é bom ter alguém ao meu lado. Como é bom poder saber que não estou sozinho nesse mundo. E como é bom saber que eu, do meu jeito impulsivo e inconsequente, posso fazer alguém feliz.

Não quero uma casa de três quartos banhada pelos raios de sol ao amanhecer, nem uma mesa em minha varanda, com um café da manhã farto e pessoas sorrindo enquanto comem, como se nunca tivessem acabado de acordar e o cachorro passeando ali por perto sem nos atrapalhar. Deixo tudo isso para os comerciais de margarina.

Não, não quero nada disso. Eu quero defeitos, falhas. Quero poder sentir que tudo é real e não só mais uma encenação que pode acabar a qualquer segundo. Eu quero tudo,desde que seja para mim.

Nunca quis a perfeição. Eu só quero você.

Meu amor, ilusão.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009 às 09:41
E hoje eu estou em paz. Cansei de esperar pela perfeição. Acho que aprendi a me contentar com o que tenho. Cansei de esperar por você, e você nem existir. Para cada pessoa que está ao meu lado, eu comparo com o utópico. Sinto sua falta, mesmo você nunca tendo se mostrado pra mim.

Não quero mais ser aquele que, com um sentimento de amargura, olha ao redor e vê pessoas felizes, desejando a cada instante que elas fiquem tristes, somente para me fazer companhia. Quero EU fazer companhia a elas. Por que não podemos todos ser felizes?

E cada dia que passa, fico mais tranquilo. Eu sei que você não existe. Eu tento me convencer disso a cada momento. A beleza, o companheirismo... está tudo na minha cabeça. E eu te amo, dessa forma enlouquecida que não consigo entender. Mas mesmo assim eu te amo.

Mas chegou a hora de terminarmos. Não posso mais te ver. Pare de visitar meus sonhos e devaneios. Quero colocar meu pé na realidade. Conheço outras pessoas.

Meu amor, ilusão, desculpe-me, mas estou te deixando.