Bicho da noite

sábado, 9 de janeiro de 2010 às 15:53
A noite está quente. Andando pela calçada na beira da praia, eu sinto a brisa morna batendo no meu rosto. A madrugada já começou a muito tempo. E mesmo tendo muitas pessoas na rua, eu estou só. Não me sinto mal por isso. Na verdade, esse é um dos poucos momentos em que eu me sinto completo.

Adoro andar a noite, sozinho, olhando o céu estrelado e sentindo aquele vento gostoso batendo em mim. As pessoas passam por mim. Algumas olham, outras ignoram. Eu, particularmente ignoro todas elas. Eu já sei qual será o desfecho dessa noite. Continuo andando mais um pouco.

Meu pé esquedo dói. Maldita hora que machuquei ele quando era criança. Agora ele me encomoda bastante. Tentei passar a noite dançando. Ele doeu. Depois tentei passar a noite bebendo, mas confesso que não vejo um ponto nisso. Por fim, tentei passar a noite beijando. Mas duas coisas me impediram...

Meu medo de ser rejeitado...
Minha crítica exarcebada...

Aqueles que eu julgo serem bons pra mim, tenho medo de não me quererem. Aqueles que me querem, não os julgo ao meu nível. Então saí. Estou novamente no início desse texto. O vento, a noite, a solidão... Tudo criando um imenso conforto ao meu redor.

Sento num banco imaginando os outros. Amigos meus. O que cada um está fazendo naquele instante. Será que eu gostaria de alguém pra conversar? Não. Quero ir pra casa. E vou pra casa. A praia continua com suas ondas baixas quebrando silenciosamente para não acordar quem dorme naquele momento. Logo eu mesmo estarei dormindo.

Minha casa está um silêncio. Meus pais dormem. A sala está na penumbra e é assim que eu mais gosto dela. Ligo a TV e procuro qualquer coisa para assistir. Pego um copo d'agua para beber. Faço tudo no maior silêncio. Não quero acordar ninguém. Quero ficar sozinho, em meu silêncio, imerso na minha própria escuridão.

Assisto o que estiver passando até me cansar. E, na verdade, me canso rapidamente. TV sempre me enche o saco. Então vou me deitar. E o escuro do meu quarto é tão agradável. É a cena de qualquer dia que mais me comove. Eu sei que em poucos momentos estarei num mundo distante, de sonhos.

Pois, na verdade, sou um bicho da noite. Adoro caminhar por entre sombras e escuridão.

1 Responses to Bicho da noite

  1. Que tal sair do conforto e aparente alegria da escuridão e se lançar no novo mundo da luz???

    GARANTO que muitos emoções estão te agurdando por aqui, basta você perder um pouquinho do medo de você mesmo.

    abraço!