... Deixa pra lá.

terça-feira, 29 de junho de 2010 às 19:17
Por um dia, esqueça dos seus problemas. Esqueça da sua vida. Esqueça, até mesmo, quem você é. Simplesmente deixe a sua vida fluir. Não questione, não dúvide. Somente viva o que tiver que acontecer.

Não tenha medo, jogue-se de cabeça. As cobranças do seu chefe, suas provas na escola, o aniversário do seu amor? Por um minuto, faça de conta que nada disso existe. Olhe para os lados e deixe-se sentir como é não conhecer ninguém. Vá a um lugar onde você nunca esteve antes, mas sempre quis ir.

Se você costuma durmir cedo, durma tarde. Se você costuma durmir tarde, deite-se cedo. Leia um livro, mas leia de verdade. Entenda cada palavra escrito nele. Entenda o que o autor quis dizer. E o mais importante, que seja um livrinho água com açucar. Nada de ler algo "inteligente". Assista um filme de comédia. Ouça uma música suave. CANTE a mesma música suave a plenos pulmões.

Respire fundo, feche os olhos, deite-se no chão. De preferência, na grama. Vire as palmas das mãos para baixo, sinta o solo por baixo de ti. Sorria como uma criança, ao menos mais uma vez. Não tente entender os seus sentimentos, apenas deixe eles fluirem através de você, do topo da sua cabeça até o dedão do seu pé.

Levante-se e corra. Corra muito, rápido, até não ter mais folego e depois sente-se no chão ou numa cadeira e perceba o alívio que é ir recuperando o ar aos poucos. Deixe o suor escorrer pelo seu corpo. Livre-se de suas roupas (em público, se tiver coragem e não tiver polícia por perto). Tome um banho bem quente. Seque-se, vista-se. Tire a roupa novamente e agora tome um banho bem gelado. Seque-se, vista-se.

Leia história em quadrinhos. Ria das piadas inocentes.

Por um dia....

Tudo...


Tchau!

segunda-feira, 21 de junho de 2010 às 08:39
E você que só me fazia mal, não está mais em minha vida. De repente eu tenho tempo para mim mesmo, sem ter que cuidar dos seu problemas. E agora eu estou em paz. Esse sentimento é libertador. É acordar num novo dia e saber que não te devo mais satisfações.

Olhando pra trás, não me arrependo daquilo pelo que passamos juntos. Tudo isso me fez mais forte, mais inteligente. Agora segue tua vida que eu vou seguir a minha. E vai em paz. Te desejo o melhor, de verdade. Talvez você me odeie, querido, mas eu não. Para mim, você não fede nem cheira. Prefiro fingir que você nunca existiu na minha vida.

Eu vou agora ser feliz. Vou correr atrás do que me faz bem. Afinal, já perdi tempo demais, empatado no mesmo lugar contigo. Pelo menos não andamos de ré. Apenas ficamos parados. E agora é a minha hora de ir adiante, te abandonando, enquanto você continua parado o mesmo lugar.

E isso vale para você, e você, e você, e todos vocês. Portanto, adeus. Já chegou a minha hora, meu trêm está partindo, minha carona está saindo e eu vou junto para o futuro que me aguarda e que eu sei que vai ser melhor do que... isso. Isso que você tem a me oferecer.

Acho que não me resta mais nada a dizer e, francamente, estou bem cansado de te ouvir também. Então agora... tchau.

Cortar as raízes

quinta-feira, 17 de junho de 2010 às 12:46
Mudamos o cabelo. Mudamos de roupa. Mudamos até o nosso rosto - por que convenhamos, cirurgia plástica é tão comum quanto chulé em pé de maratonista. Então porque ainda temos tanto medo de mudar de atitude? Uma simples atitude.

Um olhar diferente, um sorriso em vez de uma cara fechada. Um 'obrigado'. Embora a gente mude constantemente, diariamente, a cada minuto, me parece que, em alguns momentos, nos agarramos as nossas raizes de forma tão impiedosa que, para nos soltar, somente com um caminhão rebocador. E as vezes, nem assim.

O medo. Sempre ele. Não mudamos por que tememos o que vai acontecer. Temos medo do desconhecido, da nova reação das pessoas. Temos medo de julgamentos alheios a nossa nova atitude. Mas já que a onda é mudar de atitude, mude essa também e pare um pouco de se importar com a opinião do próximo. Seja feliz consigo mesmo e faça, ao menos uma vez na vida, o que você realmente quer.

E então vamos mudar radicalmente. Não iremos julgar para não sermos julgados. Se a pessoa ao seu lado mudou sua atitude, não julgue o que ela mudou. Seja inteligente e julgue o fato de ele ter tido coragem de ter mudado algo.

E sejamos felizes... largue o namorado traidor, procure um trabalho que te deixe mais feliz, fale tudo o que está preso na sua garganta há 1 mês e você não teve coragem de dizer ainda. Grite, cante, dance, fale, seja feliz... seja livre pra ser quem você é.

Ande na rua cantarolando. Se as pessoas te olharem torto, cante ainda mais alto. Sorria para os desconhecidos. Não se prenda ao passado. TODA mudança tem seu valor. Mesmo que seja algo errado, lembre-se que o erro nos torna mais sábios. Compre uma moto, viaje pela serra.

Case-se, caso queira. Ou então, peça o divórcio. Só não tenha medo de ser quem você nasceu pra ser. Não somos iguais uns aos outros e, me parece, que algumas pessoas tem uma imensa dificuldade em perceber isso.

Pois bem, se algum dia você estiver andando e cantando... e te olharem torto. Simplesmente sorria e olhe para os pés da pessoa. Quando ela perguntar o que você está olhando, diga:

- Só estou vendo a melhor maneira de cortar suas raízes.