Não me toque

terça-feira, 25 de janeiro de 2011 às 08:48
Não encoste em mim, por favor. Ou, se fizer, que seja com delicadeza. Meu coração está rachado em mil pedaços, para cada pedra e pau que o acertou. Não me acho insensível, pois assim é quem nunca abriu as portas para seus sentimentos. Eu me acho cuidadoso, precavido. Mas também sou tolo.

Já deixei meu coração exposto algumas vezes, confiei, mostrei os meus medos mais profundos e meus segredos mais obscuros. E, no final, acabei apanhando. Algumas vezes. E agora meu coração está quebrado e isso dói mais do que quebrar qualquer outra parte do corpo. Todo o amor que eu sinto, esse amor que as vezes me sufoca por eu não ter alguém para dividir... Todo esse amor que me consome vivo... Todo esse amor que faz o meu peito arder em chamas... Todo esse amor... ele vaza pelas rachaduras do meu coração.

E os dias vão passando, as pessoas vão mudando. Meu corpo é saudável. Minha alma é inabalável. Mas meu coração precisa de cuidados. Ele precisa de alguém. E eu preciso de alguém que me toque com delicadeza, que me pegue com as duas mãos, com cuidado e que não me deixe cair. Preciso de carinho, de um beijo e um abraço. Preciso que, no fim do dia, alguém e diga "está tudo bem, eu te amo". Preciso que alguém me olhe nos olhos e me faça sentir seguro.

E se esse alguém não for você, por favor, não me toque,

2 comentários

  1. Parece que eu tô na mesma onda que tu, não quero que ninguém chegue perto, cansado de me machucar, de machucar, cansado de não dar certo.

    Às vezes dá vontade de jogar tudo pra cima, e eu jogo, dá vontade de mandar todo mundo se danar, mas tem gente que ainda assim não entende, e insiste. O que querem? Me machucar? Ou querem levar patadas? Mais? Ainda não entenderam que eu tô fechado? Assexuado? Difícil entender que eu quero ficar sozinho? Como pedir que não me toquem?

  2. Ah, relendo isso me sinto a mim mesmo uns anos atrás. É misto de agonia e extâse, porque essa dor especial do coração causa um prazer quase que indizível. Sobretudo a nós, leitores, que entramos num estado quase que de catarse lendo coias tais...