Carne

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012 às 07:42
Um desejo forte, intenso, inexplicável. Um desejo que me move, me faz mover montanhas. Aquele desejo que deixa a minha visão turva, que me deixa cego, que não me faz ver claramente. O desejo mais instintivo que pode surgir, aquela vontade de tocar...

E o toque, quando acontece... uma descarga de energia, o calor da pele, o arrepio, os arrepios. A sensibilidade a mil, o sangue correndo dentro do meu corpo, meus estômago dando cambalhotas... E aquela vontade de gritar, vontade de rasgar a sua pele...

Não tem hora nem lugar pra isso acontecer. Eu te vejo e, de repente, é como se eu estivesse possuído por algo que me faz perder o controle. Em um instante, eu não sou mais eu. Sou um animal, uma besta, querendo gritar o seu nome, te caçando. Até você ser meu. 

A dança que nossos corpos fazem, o ritual, os olhares... é tudo primitivo demais. É algo que não aprendemos, a gente simplesmente sabe. É algo que ultrapassa nossa mente. É algo que grita de dentro da gente. É algo que está em nossa carne.